curso de vendas
porque meu site não aparece no Google

Porque meu site não aparece no Google

Blog   ·  Criado em 14/08/2019   ·   Atualizado em 16/08/2021   · ​ 39 minutos

porque meu site não aparece no Google

Se você tem um site e ele está atraindo poucos visitantes, é provável que tenha feito essa pergunta acima. 

Acontece que não existe apenas um fator que influencia no ranqueamento da sua página — são vários!

Nesse artigo, vamos mostrar os possíveis motivos pelos quais seu site não aparece no Google e dar dicas de como ranquear para primeira página. Boa leitura!

Qual é a importância de investir em ranqueamento?

Como faco para meu site aparecer no Google?

Ok, você quer saber como ranquear meu site no Google, mas por que? 

Vamos explicar os reais motivos para investir em melhorar seu ranqueamento nos mecanismos de busca!

Ampliar o alcance da sua página

Segundo uma pesquisa da Search Engine Land, 90% dos usuários do Google acessam apenas os links das primeiras posições.

Ou seja, se você não estiver entre os primeiros resultados da primeira página, será difícil que seu conteúdo seja visto ou clicado pelos internautas. 

Por isso, o melhor benefício de estar no topo das pesquisas é a possibilidade de ampliar o alcance da sua página, ganhar mais acessos e alcançar um público mais qualificado.

Esses acessos são orgânicos, ou seja, você não pagará ao Google e não será necessário gastar muito nesse estágio da divulgação. 

Contudo, é importante dedicar algum tempo ao seu planejamento e estruturação correta da página.

Por falar em planejamento de sites, que tal descobrir como nós da High Sales ajudamos os nossos clientes? Conheça as nossas estratégias de marketing digital.

Otimizar o custo de divulgação paga

Em geral, após alguém se questionar sobre “porque meu site não aparece no Google”, a primeira reação é começar a investir mais dinheiro através dos anúncios pagos no Google Ads para aumentar o número de cliques.

No entanto, nem sempre essa ação se traduz em mais leads (potenciais clientes) ou mais vendas, pois alguns problemas que fazem um site não ranquear no Google é a falta de estratégia com as palavras-chave, ou, inclusive o próprio site.

No entanto, nem sempre essa ação se traduz em mais leads qualificados, pois a ferramenta utiliza os dados das pessoas que entraram no seu site para otimizar melhor seus anúncios. 

Por exemplo:

  • Você produziu um artigo chamado “10 formas de usar uma jaqueta jeans”;
  • A Ana encontrou seu site na primeira página, entrou no seu site e leu o artigo. 
  • O Google agora possui alguns dados sobre a Ana baseado na sua pesquisa, como idade, gostos, interesses, etc. 
  • Agora, a ferramenta pode usar esses dados para mostrar seu site para mais pessoas que sejam semelhantes à Ana e, portanto, com mais probabilidade de se interessar pelo seu site. 

Assim, é possível otimizar o custo com divulgação paga e receber mais visitantes qualificados das duas formas. 

Ah! Se você ainda não entende bem da ferramenta de anúncios do Google, uma boa opção é encontrar uma Consultoria Google Ads.

Focar em consumidores de maior potencial

Uma das primeiras lições que você deve aprender em relação à aquisição de clientes é que qualidade é bem melhor que quantidade. 

Portanto, é melhor atrair 10 visitantes e 8 comprarem do que 100 visitantes e 2 comprarem. 

Ter um grupo fidelizado de leads, que retorna à sua empresa e provém um bom ticket médio (valor médio das compras realizadas em determinado período), é melhor que se desgastar todo mês para renovar sua base de clientes. 

E, com melhor ranqueamento por conta da qualidade de seus conteúdos, você tem chances bem melhores de atingir esses clientes em potencial e fazer com eles retornarem ao site sempre que buscam por uma solução, gerando novas chances de gerar vendas recorrentes. 

Em geral, os leads de maior potencial e menor custo já sabem o que estão buscando em suas pesquisas. Dessa forma, eles chegam até a marca ou produto/serviço que desejam com as palavras-chave certas. Exemplo: se eu quero comprar uma prancha de surf, digito “prancha de surf”.

Sendo assim, esses termos devem estar presentes nos conteúdos das suas páginas estrategicamente.

Alcançar maior presença de mercado

Ao notar que meu site não aparece no Google, não é uma questão apenas de perder algumas visualizações — sua empresa também perde parte de sua relevância diante do grande público.

Mesmo que algumas pessoas não sejam seus clientes atuais ou potenciais, o fato delas conhecerem o nome da sua marca já é uma forma de reforçar sua presença para elas. Caso conheçam alguém que precise de sua solução, elas podem indicar sua empresa.

Por isso, ao investir no ranqueamento do seu site, saiba que outras pessoas, além de seus leads, verão seu nome e seus produtos. 

Quer descobrir outras formas de como aumentar o seu público? Então, confira este vídeo:

Elevar a taxa de conversão

Por fim, aparecer em primeiro no Google de qualquer pesquisa que possibilita maiores chances de fechar negócios, pois você consegue qualificá-lo mais rápido devido à dois motivos. 

O primeiro é que o seu conteúdo pode qualificar o lead e elevar seu nível de no funil de vendas

Por exemplo, a Ana pensou em comprar uma jaqueta jeans, encontrou 10 formas de usar a peça, percebeu a versatilidade e agora está pronta para comprar — você a convenceu a comprar a peça.

Segundo, você consegue pegar pessoas que já estão querendo comprar e estão no fundo do funil — a Ana já sabe que quer a peça, então, digitar “jaqueta jeans”, suas peças aparecem recomendadas nos primeiros resultados e, se ela gostar, vai comprar.

Funil de Vendas

Afinal, porque meu site não aparece no Google

Chegou a hora de saber porque seu site está mal posicionado nos resultados de pesquisa do Google. Para isso, trouxemos os principais motivos neste vídeo e neste artigo. Veja só: 

8 motivos para meu site não ranquear no Google

Como ranquear meu site no Google?

A primeira questão aqui, na verdade, é se realmente o “meu site não aparece no Google” ou se ele apenas está muito abaixo na lista de pesquisa. É uma diferença simples, mas considerável.

Você pode se perguntar: “como ranquear meu site no Google?” e a página não está devidamente indexada ao Google, então, nenhum trabalho de SEO ou investimento em divulgação paga poderá resolver a situação.

Por isso, o primeiro passo, aqui, é justamente verificar se o seu website está ou não visível no mecanismo de busca.

Para isso, basta abrir uma aba de pesquisa do Google e digitar a URL da sua página. Por exemplo, “site: www.meu-site.com/conteúdo”. Se a página aparecer no primeiro resultado, então, está tudo em ordem, a princípio.

Se, por outro lado, o site não aparece no Google, você precisa apresentar sua URL aos robôs de catálogo do Google por meio de um link. Assim, eles poderão verificar a autenticidade da sua página e apresentá-la aos leads nos mecanismos de buscas em suas próximas pesquisas.

1- Conteúdos rasos

Digamos que você já captou alguns leads e sua página estava com um bom índice de visitas. Depois de algum tempo, você começou a cair na classificação do Google e, por fim, seus conteúdos pararam de receber qualquer visita.

Por que isso aconteceu? Talvez, o problema esteja na produção de conteúdo dentro do seu site. 

Afinal, atração não é o único estágio na captação de clientes. 

O Google já considera uma variável chamada “índice de rejeição” — a porcentagem de visitantes que abandona imediatamente seu site após entrar. 

Um índice alto indica que seu conteúdo não é correspondente à pesquisa realizada ou não agrega valor o suficiente para os visitantes.

Por exemplo, mesmo que tenha um texto tecnicamente correspondente ao tema “meu site não aparece no Google”, se a informação em si não for relevante para meus leads naquele momento.

Por isso, é essencial entender a intenção de busca do usuário e ser capaz de entregar isso a ele.

Então, entregue conteúdos de qualidade para aparecer na primeira página do Google e se lembre de sempre atualizá-los com o tempo.

2 - Mau uso de palavras-chave

Esse é um dos erros mais comuns!

Como você já deve saber, o Google opera suas pesquisas por meio de palavras-chave, termos que seriam usados para se referir a um determinado tipo de conteúdo.

Por exemplo, “culinária”, “aviação”, “aula de física”, etc. 

Escolher essas palavras de forma incorreta pode custar bastante caro ao longo de suas campanhas, pois você pode atrair pessoas erradas para o seu site e pagar por cliques não qualificados. 

Por isso, há dois pontos principais a serem considerados na hora de escolher esses termos. 

O primeiro é a compatibilidade entre seu site e a palavra-chave para que os resultados da pesquisa sejam relevantes.

Se o seu texto fala sobre cafés especiais, por exemplo, alguns termos interessantes para começar podem ser “cafés raros”, “cafés especiais” ou “cafés gourmet” entre outros ao invés de “cafés tradicionais”.

O segundo ponto que você também deve considerar é a relação custo-benefício de cada termo quando se trata de anúncios pagos no Google. 

Algumas palavras são mais genéricas e muito usadas por outros sites, aumentando o valor do termo e diminuindo suas chances de alcançar o topo dos resultados de busca. 

Ainda utilizando nosso exemplo anterior, o termo “cafés” pode ser muito abrangente. Para aumentar as suas chances de ser encontrado, você poderia usar palavras-chaves mais longas como “cafés especiais de minas gerais”. 

Conheça um pouco mais as estratégias das palavras-chave de cauda longa!

3 - URL não amigável

Logo após a pesquisa, o link dos sites ficam visíveis para o usuário, certo? Se um site não demonstra confiança ou, ao menos, não comunica claramente o conteúdo, então, é bem provável que o usuário não se disponha a clicar nele.

Esse tipo de site com URL não amigável tende a ser penalizado pelo Google, fazendo seu conteúdo não aparecer na primeira página.

E o que é uma URL amigável? É um endereço simples, fácil de lembrar e que leva o usuário exatamente onde ele deseja dentro do seu site.

Veja dois exemplos de uma URL amigável para ficar mais fácil entender o que são: “www.meu-site.com/conteúdo-x” e "www.highsales.digital/franquias-de-sucesso/". 

Já um exemplo de URL não amigável seria: “www.meu-site-com-detalhes-desnecessários.com/redir-outro-site/conteúdo-relacionado-x-mas-não-x”

O algoritmo identifica esse links assim como um sinal de que aquela página não é confusa e se não tiver cliques ainda, torna-se irrelevante para a maioria dos usuários.

4 - Arquitetura da informação ruim

Meu site não aparece no Google, e agora?

A forma como uma página é estruturada determina não só sua aparência estética, mas também para onde a atenção do lead será direcionada durante a sua navegação.

Se ele não puder encontrar o que busca com facilidade, é bem provável que saia imediatamente, contribuindo ainda mais para o índice de rejeição que mencionamos antes.

Há vários exemplos do que não fazer na arquitetura da sua página que podem impactar negativamente na experiência do usuário e, consequentemente, o ranqueamento de um site. Veja alguns:

  • fonte muito pequena e difícil de ler;
  • pop-ups invasivos em áreas em que seu lead costuma buscar outros ícones;
  • conteúdo dos menus com pouca clareza (outros tópicos; serviços especiais, etc.);
  • disposição pouco intuitiva dos ícones;
  • falta de explicação para termos menos comuns;
  • excesso de informação exibida na tela de uma só vez;
  • falta de critério para a ordenação de itens (alfabético; cronológico; importância);
  • imagens sem correspondência com o tema.

Esses são apenas alguns exemplos comuns.

Se você procurar, verá que nenhum site ou blog de sucesso deixa informações soltas para seus leitores. Tudo é organizado em padrões visíveis, facilitando a orientação mesmo para aqueles que não estão acostumados com sua página e seu tipo de conteúdo.

5 - Página muito lenta

Esse é um dos maiores assassinos de sites diante de qualquer motor de busca!

Ao escolher um servidor e desenvolver uma página, você deve ter em mente o tempo de resposta entre ela e seu público-alvo. Segundo uma pesquisa do Google/SOASTA Research, o tempo de carregamento ideal para uma página é de até 3s. 

Quando alguém faz uma pesquisa, não está disposto a esperar dois minutos para uma página carregar por completo, então, o Google interrompe a conexão se o tempo limite de resposta for atingido.

Mas o que faz uma página ficar lenta? A causa disso pode variar bastante.

Em alguns casos, pode ser que a programação do site não foi feita corretamente. O excesso de anúncios, banners, imagens pesadas — sites em Flash e pop-ups, por exemplo, exige mais tempo de processamento, retardando ainda mais a resposta.

Portanto, lembre-se de medir a velocidade da página quando se perguntar "porque meu site não aparece no Google". Alguns sites para você medir isso são:

Foi pensando nisso que investimos milhões em um programa para criar site e nossos servidores estão nos data centers do próprio Google! Tudo para dar a melhor experiência para a criação de sites profissionais!

6 - Site não responsivo

No Brasil, 98,6% das pessoas acessaram a internet pelo celular em 2019, segundo o IBGE. 

Portanto, seu site deve priorizar a versão mobile — o próprio Google anunciou em 2018 que iria priorizar sites com uma versão mobile na indexar nos resultados de pesquisa.

Mesmo diante desse fato, você ficaria surpreso com a quantidade de sites que estão mal estruturados para receber visitas por meio dos dispositivos móveis. 

Então, se você está questionando o porquê meu site não aparece no Google, busque saber se a sua página é responsiva.

E o que é um site responsivo

É aquele que adapta automaticamente os conteúdos conforme as telas dos diferentes dispositivos onde um site é acessado. 

Sem isso, os textos que não ficam bem enquadrados, imagens que saem da tela, ícones com os quais não se pode interagir, entre outros problemas.

Muitas plataformas e domínios já oferecem opções automáticas de otimização para aparelhos móveis, reduzindo muito o seu trabalho. 

7 - Falta de otimização do SEO

A otimização do SEO vai bem além da busca de palavras-chave — inclui vários outros aspectos que podem estar relacionados à resposta do porquê meu site não aparece no Google.

Primeiro, não basta apenas ter os termos mais procurados, você precisa incluí-los da forma certa — mais adiante falaremos melhor sobre isso.

Além disso, é importante investir em uma estratégia de link externo — estratégia SEO que consiste em jogar tráfego de outra página para a sua — e link interno — quando você transfere o tráfego de uma página para outra dentro do seu próprio site

Outro fator que podemos citar é a falta de atenção às imagens do site. 

As imagens permitem uma funcionalidade chamada alt text — texto alternativo — que serve para descrever a imagem, com marcadores e palavras-chave que se encaixam no que ela apresenta. Como uma máquina ainda não pode ler uma imagem e interpretá-la artisticamente, ela identifica esse seu texto. 

8 - Não estar presente no Google Meu Negócio

Por fim, mais um dos motivos que podem fazer o seu site não aparecer em primeiro no Google pode ser porque você não inseriu as informações da sua empresa — site, telefone, localização, fotos, avaliações e horário — no Google Meu Negócio

Isso porque quando um internauta faz uma busca nesse mecanismo de pesquisa, o Google Meu Negócio é o primeiro a aparecer, pois o algoritmo do Google identifica primeiro uma referência comercial e apresenta os locais relacionados à pesquisa mais próximos. 

Assim, é possível aparecer no primeiro resultado do Google.

Então, se você tem um negócio local, não se esqueça de criar um perfil no Google Meu Negócio para ser visto em posições privilegiadas no Google e, assim, atrair mais clientes. 

Para estar no Google Meu Negócio, basta acessar o site e fazer o seu cadastro. 

Sempre se lembre de manter os dados do seu perfil atualizado, pois isso aumenta as chances de sua página ser considerada confiável pelo Google. 

Aprenda sobre outras ferramentas do Google.

Como ranquear no Google e aparecer nos primeiros resultados?

Separamos algumas dicas e práticas para melhorar as suas chances de aparecer na primeira página do Google. Confira. 

Entenda como o Google funciona

Esse é, definitivamente, o ponto central para evitar vários problemas de ranqueamento. Mas o que exatamente você precisa saber sobre como o Google funciona?

Para chegar aos resultados ideais para determinada palavra-chave, o Google percorre um caminho que começa muito antes de o usuário digitar sua pesquisa neste mecanismo. Esse processo passa por algumas etapas essenciais, as quais são:

  1. rastreamento: os robozinhos do Google, o Googlebot, busca novas URLs para serem indexadas em seu enorme banco de dados o tempo todo;
  2. indexação: após o rastreamento, todas as URLs vão para o banco de dados do Google de forma organizada com um índice de palavras-chave para serem facilmente encontrados e acessados;
  3. ranqueamento: os algoritmos do Google analisam vários fatores de ranqueamento durante a pesquisa de um usuário para entregar as melhores respostas.

Quer saber mais sobre os principais fatores de ranqueamento do Google? Confira este vídeo agora mesmo:

Quando você entende como o Google funciona, você pode usar esse conhecimento a seu favor. 

Para aprender como a ferramenta opera, vale a pena investir em cursos aprofundados, estudar por conta própria pelo Google ou contratar alguém mais experiente. 

Use corretamente as estratégias de SEO on-page

Ao longo da história do Google, várias atualizações foram feitas nos algoritmos para melhorar a experiência do usuário.

 Isso fez com que ele se tornasse mais exigente em relação aos sites, de forma geral. 

Por isso, se você quer ranquear bem, precisa seguir alguns requisitos.

Os primeiros passos para a otimização do SEO on page são:

  • palavras-chave: descubra quais são as palavras-chave que os seus potenciais clientes buscam nos mecanismos de pesquisa. Assim, você pode utilizá-las estrategicamente para melhor posicionar-se organicamente no Google. Onde utilizar essas palavras-chave? No título e alguns subtítulos, primeiro parágrafo do texto, alt tag da imagem, meta description e na URL.
  • título: seu título deve ser coerente com o texto e transmitir a essência do conteúdo. E como criar títulos para os mecanismos de buscas? O título deve conter a palavra-chave e ter o tamanho máximo ideal para aparecer completo na primeira página — é, aproximadamente, 60 caracteres o máximo. 
  • meta description: esse é o texto que aparece abaixo do título de uma página nos resultados do Google e deve descrever, em poucas palavras e de forma sucinta, o que o visitante encontrará naquela página. Como já vimos, deve conter a palavra-chave do conteúdo;
  • URLs amigáveis: é um dos fatores mais importantes do SEO on-page ao lado do título do conteúdo. Por isso, ela deve conter a palavra-chave para descrever o conteúdo e não conter palavras aleatórias já que o Google penaliza isso;
  • alt tag: você já sabe a importância de otimizar as imagens para o Google, certo? Mas como fazer isso? Use palavras-chave no nome da imagem, otimize o seu tamanho e descreva as imagens em poucas palavras na legenda. Sempre escreva para um humano, não para uma máquina;
  • heading tags: são os intertítulos dos conteúdos e foram criados para marcar pontos em destaque no texto e melhorar a leitura. Como usá-los para SEO? Defina uma hierarquia das informações e aplique a escala de h1 a h6 das heading tags, sendo que a h1 predomina sobre as demais;
  • site responsivo: para criar um site compatível com os dispositivos móveis — e, assim, aumentar as chances de aparecer nas primeiras posições do Google — aumente os espaçamentos entre os elementos, aumente o tamanho da fonte, crie contrastes entre as cores, otimize as imagens e configure para aparecer conteúdos essenciais.

Crie uma agenda de pesquisa e publicação

Se o seu site não aparece no Google, pode ser que ele já tenha “expirado” — os robôs de catálogo sabem que os usuários preferem conteúdos recentes e atualizados. 

Então, se você abandona uma página por um mês ou um ano, é natural que ela comece a perder acessos. Contudo, a questão aqui não é apenas o tempo desde sua última publicação.

Sua posição nas pesquisas também tem a ver com a frequência e a regularidade das suas postagens ao longo do tempo. Digamos que você seja, por exemplo, um blogueiro amador e faça publicações quando tem um assunto interessante ou quando está disposto.

No começo, seu entusiasmo o leva a fazer 10 postagens em menos de uma semana, mas, depois, você deixa sua página abandonada por 5 meses antes da próxima postagem.

Naturalmente, o Google entenderá que seu site não gera novos conteúdos com frequência, o que diminui sua relevância diante do público. 

As máquinas pensam assim, pois, quanto mais útil, informativo e/ou divertido é um canal, mais as pessoas tendem a acompanhá-lo. Se não há nada novo regularmente, não há motivo para retornar com frequência. 

Por isso, ter uma agenda de postagens e um período pré-determinado para elaborar uma pesquisa pode ajudar bastante no ranqueamento do seu site e blog.

A nossa dica é: tenha uma lista de objetivos para cada publicação e campanha. 

Por exemplo, atrair mais leads, fidelizar compradores atuais, divulgar um produto. Depois, monte um calendário, informando data e horário da publicação e siga-o religiosamente. 

Foque todas suas estratégias no seu público-alvo

Outro erro terrivelmente comum é que muitos conteúdos e páginas são gerados sem ter em mente a pessoa que irá acessá-los. 

Isso atrapalha a navegabilidade dos usuários nos sites, blogs e portais, aumentando o índice de rejeição e perdendo a relevância bem mais rápido no Google. 

O primeiro ponto a considerar nessa situação é o tipo de conteúdo que você está entregando. 

Seus leads já têm um grupo de interesses e um objetivo quando visitam seu site. Atender a essas expectativas é muito importante porque um leitor decepcionado dificilmente dará uma segunda chance a você. 

Em seguida, você deve pensar em como a estrutura da página se ajusta ao público que quer atingir, tanto em termos de estética quanto de funcionalidade.

Por exemplo, se seus leads são, principalmente, idosos, evitar a poluição de conteúdo típica da Internet é a melhor opção para mantê-los navegando por muito mais tempo no seu site.

Por outro lado, se forem jovens, buscar um visual dinâmico e mais direto tende a ser mais eficaz. 

É tudo uma questão de entender o que seus leitores desejam e como você pode agradá-los.

Dessa forma, podemos perceber que delimitar um público-alvo é relevante de várias maneiras, que vai desde a elaboração da campanha e da escolha de palavras-chave até a estruturação de todo o site.

Invista em links patrocinados para ter resultados mais rápidos

Você pode adotar todas as estratégias listadas acima e outras dicas para elevar sua classificação e obter ótimos resultados. Isso é fato. 

No entanto, independentemente da sua otimização, nenhuma página tem retorno mais amplo sem investir em alguns anúncios pagos. 

E com a concorrência cada vez mais alta, esse tipo de custo já não pode mais ser evitado.

 Felizmente, essa não tende a ser a maior despesa de qualquer empresa com marketing.

Uma campanha desenvolvida pensando no público certo com cuidado, o SEO da página otimizado, um objetivo bem elaborado e direcionada de forma consistente pode trazer um retorno muito maior do que o seu investimento inicial.

Todos esses fatores, junto a um planejamento de médio e longo prazo, trarão resultados bem mais duráveis, como já vimos ao longo do texto. 

Por isso, mesmo que suas páginas estejam bem otimizados para o Google, invista em links patrocinados para aparecer mais rápido nos resultados de busca. 

Aprenda agora como anunciar no Google Ads!

Conquiste backlinks com parceiros estratégicos

Dentre os diversos fatores de ranqueamento do Google, está a autoridade de domínio, que é construída a partir de links externos ou backlinks. 

Você sabe o que são backlinks

São os links posicionados estrategicamente em sites parceiros para redirecionar o leitor até a sua página na web.

Para conquistar a autoridade de domínio, você precisa de diversos links externos indicando o seu conteúdo. 

Esses backlinks precisam ser de qualidade. 

Então, de nada adianta criar cadastros em diversos diretórios espalhados pela internet para gerar tráfego com links externos para o seu website.

O melhor caminho para isso é fazer guest posts com conteúdos de qualidade. Na prática, isso significa escrever artigos para ser publicados em blogs ou sites que tenham autoridade em assuntos abordados por você. 

O ideal é que não sejam concorrentes diretos e sim empresas que ofereçam soluções complementares a sua. 

Outra maneira de conseguir parceiros estratégicos, quando não se tem contato direto com uma determinada empresa para essa parceria, é criar conteúdos impressionantes e colocar links de sites relevantes no assunto.

Com isso, ao longo do tempo, você pode obter um reconhecimento pelo conteúdo e como forma de agradecimento pelo tráfego gerado para eles ter uma provável linkagem de volta para o seu conteúdo. 

Crie conteúdos originais e relevantes

O Google também avalia se um conteúdo é original ou não.

Ele tende a penalizar um conteúdo duplicado ao colocá-lo nas últimas posições ou, até mesmo, excluído-o e dando prioridade para o que foi publicado primeiro. 

Por isso, sempre busque publicar conteúdos originais e, mais do que isso, relevantes e completos para o público.

Como escrever conteúdos de qualidade para ranquear bem no Google? 

O primeiro passo é descobrir para quem você deve escrever e qual é a sua intenção de busca.

Pois, assim, você sabe o que, como e com quem falar. 

E, principalmente, ser capaz de entregar aquilo que o usuário busca quando ele digita determinada palavra-chave no Google. 

O próximo passo é encontrar referências de textos de boa qualidade para se inspirar.

Depois disso, é necessário criar um modelo de estrutura de texto que ajude a manter o foco do leitor até o final do texto — momento em que ele toma uma atitude desejada por você, como assinar uma newsletter ou entrar em contato com a sua empresa. 

A próxima e última etapa é otimizar seu conteúdo de qualidade para os motores de buscas.

Para isso, você deve utilizar as dicas dadas no tópico “Use corretamente as estratégias de SEO on-page”. 

Isso é extremamente importante, pois amplia suas chances de ranquear seu conteúdo no Google. 

Então, aproveite as boas práticas de SEO no conteúdo.

Pronto para ranquear o seu site no Google?

Se a pergunta que não saia da sua cabeça era “porque meu site não aparece no Google”, esperamos que o nosso artigo tenha respondido a sua dúvida. 

Melhor do que isso, também esperamos que nossas dicas possam ajudá-lo a conquistar as primeiras posições nesse mecanismo de busca.

Se gostou desse artigo e quer conferir muitos outros conteúdos exclusivos, então siga-nos nas redes sociais. Estamos no Instagram e também no YouTube!

e aí, GOSTOU? COMPARTILHE!

vamos CONVERSAR?

Você tem uma ideia que precisa tirar do papel?